5 de setembro de 2012

PAPA EXORTA LEIGOS AFRICANOS A SEREM EMBAIXADORES DE CRISTO

“Leigos, sejam embaixadores de Cristo.” Em síntese, essa é a exortação do Papa Bento XVI aos participantes do II Congresso pan-africano do laicato católico, em andamento em Iaundé, em Camarões. O discurso de abertura foi pronunciado na manhã desta quarta-feira, 5, pelo presidente do Pontifício Conselho para os Leigos, Cardeal Stanislaw Rylko.

Citando o tema do encontro, "Ser testemunhas de Jesus Cristo na África hoje", o Papa afirma o que evoca a Exortação Apostólica Pós-Sinodal Africae munus, que ele mesmo entregou ao episcopado africano em novembro do ano passado.

Este Congresso em Iaundé, de acordo com Bento XVI, se apresenta como uma etapa significativa do caminho inaugurado pela 2ª Assembleia Especial para a África. “Durante as minhas viagens ao Continente, afirmei em várias ocasiões que a África é chamada a ser o ‘Continente da esperança’. Não eram palavras de circunstância, mas indicavam um horizonte luminoso que se abre ao olhar da fé.”

O Pontífice destaca que, à primeira vista, os problemas da África parecem graves e de difícil solução, e não somente pelas dificuldades materiais, mas também pelos obstáculos espirituais e morais que também a Igreja encontra.

Entre essas dificuldades, Bento XVI cita a dilaceração do tecido pessoal e social, a exasperação do tribalismo, a violência, a corrupção na vida pública, a humilhação e a exploração das mulheres e das crianças, o aumento da miséria e da fome e o terrorismo fundamentalista.

“Olhando mais profundamente, porém, olhando para o coração dos povos africanos, descobrimos uma grande riqueza de recursos espirituais, preciosos para o nosso tempo”, afirma o Pontífice. Ele insere nesse túnel de esperança o exemplo da santa sudanesa Josefina Bakhita, que mostra como o encontro com o Deus de Jesus Cristo é capaz de transformar profundamente todo ser humano, inclusive nas condições mais pobres.

Bento XVI então exorta: “Nesta obra de transformação de toda a sociedade, tão urgente para a África de hoje, os fiéis leigos têm um papel insubstituível, eles são os ‘embaixadores de Cristo’ (2 Cor 5,20) no espaço público, no coração do mundo (Exortação apostólica Africae munus, 128). Mulheres e homens, jovens, idosos e crianças, famílias e sociedades, toda a África hoje aguarda os “embaixadores” da Boa Nova, fiéis leigos provenientes das paróquias, dos movimentos eclesiais e das novas comunidades, apaixonados por Cristo e pela Igreja, repletos de alegria, corajosos agentes de paz e anunciadores de autêntica esperança".

Participam deste Congresso mais de 300 delegados provenientes de 35 países da África. Cardeal Rylko afirmou que não obstante o importante crescimento numérico dos últimos anos, os católicos na África permanecem uma minoria, mas uma “minoria criativa”, consciente de ser determinante para o futuro do continente.

O Cardeal define o laicato africano como de “grandes potencialidades espirituais”, mas que precisa despertar: “Este Congresso, portanto, deverá ser para todos nós o Congresso do redescobrimento da beleza de ser cristãos”.

Nenhum comentário:

Postar um comentário