22 de fevereiro de 2013

A CÁTEDRA DE SÃO PEDRO FICARÁ VAZIA NO DIA 28 DE FEVEREIRO

No dia 22 de fevereiro a liturgia nos convida a celebrar a Festa da Cátedra de Pedro. Mais do que uma simples "cadeira" ou mesmo um "trono", a palavra "cátedra" indica a autoridade para ensinar.

Quando na Bíblia se diz que alguém "sentou e começou a ensinar" significa que seu ensino é repleto de fundamento e autoridade. Foi assim, por exemplo, no conhecido Sermão da Montanha: "Vendo aquelas multidões, Jesus subiu à montanha. Sentou-se e seus discípulos aproximaram-se dele" (Mt 5,1). Até na linguagem comum se afirma que um professor eficiente é um "catedrático". A igreja onde fica a cátedra do bispo é chamada de "catedral".

Quando a Igreja Católica celebra esta festa, reconhece que entre os doze apóstolos houve um que ocupou o primeiro lugar e que recebeu a missão de confirmar os irmãos na fé (cf. Lc 22, 31-32). Vemos no Evangelho que Pedro sempre encabeça a lista dos apóstolos. Além disso, ele fala com Jesus em nome dos doze, como está no evangelho escolhido para a Missa deste dia: Mateus 16,13-19.


O mestre convida os discípulos para ir até uma região montanhosa chamada "Cesaréia de Felipe". Ali faz uma pergunta intrigante: "Quem dizem por aí que Eu Sou"? As respostas são as mais variadas. Jesus, então, vai além. Pergunta: "E para vocês, quem Eu Sou?" Certamente houve um silêncio e uma troca silenciosa de olhares. Todos se perguntavam: quem terá coragem de dar uma resposta tão pessoal?! Foi Pedro quem tomou a palavra pronunciou a profissão de fé que fez dele o primeiro Papa do Cristianismo: "Tu és o Cristo, o Filho de Deus vivo!"

Conhecemos o que Jesus disse: "Feliz és, Simão, filho de Jonas, porque não foi a carne nem o sangue que te revelou isto, mas meu Pai que está nos céus. E eu te declaro: tu és Pedro, e sobre esta pedra edificarei a minha Igreja; as portas do inferno não prevalecerão contra ela. Eu te darei as chaves do Reino dos céus: tudo o que ligares na terra será ligado nos céus, e tudo o que desligares na terra será desligado nos céus." Foi isso que deu a Pedro a sua “cátedra”, ou seja, autoridade.

Neste ano vivemos esta festa de uma maneira totalmente diferente e inesperada. No dia 11 de fevereiro o Papa Bento XVI, surpreendeu o mundo anunciando a sua renúncia com as seguintes palavras pronunciadas em latim: "[...] a partir de 28 de Fevereiro de 2013, às 20 horas, a sede de Roma, a Cátedra de São Pedro, ficará vacante e deverá ser convocado, por aqueles a quem tal compete, o Conclave para a eleição do novo Sumo Pontífice".

Muito se especulou sobre o motivo de sua renúncia. A melhor explicação, porém, continua sendo a do próprio Papa: “Depois de ter examinado repetidamente a minha consciência diante de Deus, cheguei à certeza de que as minhas forças, devido à idade avançada, já não são idôneas para exercer adequadamente o ministério petrino. Estou bem consciente de que este ministério, pela sua essência espiritual, deve ser cumprido não só com as obras e com as palavras, mas também e igualmente sofrendo e rezando. Todavia, no mundo de hoje, sujeito a rápidas mudanças e agitado por questões de grande relevância para a vida da fé, para governar a barca de São Pedro e anunciar o Evangelho, é necessário também o vigor quer do corpo quer do espírito; vigor este, que, nos últimos meses, foi diminuindo de tal modo em mim que tenho de reconhecer a minha incapacidade para administrar bem o ministério que me foi confiado."

Muito mais do que alinhar-se à avalanche de especulações que a imprensa tem feito em torno da renúncia do Papa, o católico praticante que ama a sua Igreja, neste momento está em comunhão de prece com o Santo Padre. É um momento intenso e tenso, mas Bento XVI disse recentemente que pode sentir a prece e o carinho do povo de Deus "quase fisicamente". É o mistério da Igreja que nos unifica no Corpo Místico de Cristo.

No dia 22 de fevereiro de 2006, o próprio Bento XVI fez uma reflexão sobre o significado da "Cátedra de Pedro". Lembrou tratar-se de uma tradição muito antiga, vivida em Roma deste o século IV. Antes disso, disse o Papa, a “cátedra” foi no Cenáculo, em Jerusalém; depois foi na cidade de Antioquia, na hoje Turquia, onde Pedro foi o primeiro bispo; somente depois a “cátedra” foi transferida para Roma que recebeu a missão de congregar todos os povos da terra.

O Papa evocou numerosos testemunhos de santos e doutores da Igreja para explicar o significado espiritual da “cátedra de Pedro”. Um deles, São Jerônimo, escreve assim: “Decidi consultar a cátedra de Pedro, onde se encontra aquela fé que a boca de um Apóstolo exaltou; agora venho pedir um alimento para a minha alma ali, onde outrora recebi a veste de Cristo. Não busco outro primado, a não ser o de Cristo; por isso, ponho-me em comunhão com a tua bem-aventurança, ou seja, com a cátedra de Pedro. Sei que sobre esta pedra está edificada a Igreja” (Cartas I, 15, 1-2). O Papa terminou esta catequese pedindo que todos rezassem pelo seu ministério de sucessor de Pedro: “[...] invocai o Espírito Santo a fim de que sustente sempre com a sua luz e a sua força o meu serviço quotidiano a toda a Igreja. Por isto, bem como pela vossa atenção devota, agradeço-vos de coração.”

Atendamos a este pedido de Bento XVI, particularmente nesta semana intensa que ele e todos nós viveremos. Neste domingo, dia 24 de fevereiro, ele rezará o último "Angelus" de seu pontificado. Na quarta-feira, dia 27, presidirá a última audiência pública para milhares de peregrinos. No dia 28, pela manhã, saudará pessoalmente todos os cadeais presentes em Roma, sem discursar e, às 17h, irá para seu retiro em Castel Gandolfo, onde ficará até que seja eleito o novo Papa. Neste dia, às 20h, Bento XVI não será mais Papa, viverá silenciosa e intensamente o ministério de intercessor.
 
Padre Joãozinho, scj


Pe. Joãozinho, scj
Teólogo, escritor e compositor
Professor na Faculdade Dehoniana
Twitter: @padrejoaozinho
 

Nenhum comentário:

Postar um comentário